Mylene Mara

Local, idade: 
Paraná, 27 anos
Profissão:: 
Farmacêutica

Bom, nasci em Maio de 1983 em Ponta Grossa, PR. Aparentemente, eu era um bebê normal, saudável, exceto por um problema...possuía a"menina dos olhos" esbranquiçada. Em um primeiro momento, meus parentes pensavam que fosse "mal olhado" e que uma benzedeira resolveria tudo...mas não resolveu. Minha mãe, apesar da pouca idade (19 anos) e de eu ser a primeira filha, não ficou esperando, correu atrás de um médico para saber o que era. Quando ele disse catarata congênita, ela se desesperou, mas não perdeu as esperanças.

Mylene MaraNaquela época as coisas não eram fáceis, meus pais estavam sem dinheiro, o que meu pai ganhava era muito pouco e sem contar, que as cirurgias de catarata em recém nascidos não eram tão bem sucedidas como elas são hoje, onde a pessoa já sai até com a lente intra ocular implantada. Com sacrifício, conseguiram a cirurgia. Operei o olho direito com 2 meses e o esquerdo com 4 meses (por isso tenho uma diferença tão grande de visão nos dois olhos). Então comecei a usar uma lente de contato gelatinosa permanente externa, até 1 ano. O médico disse á minha mãe que eu teria uma vida normal, sem maiores problemas. Realmente, eu andei e falei rápido, os olhos não foram um obstáculo para que eu não acompanhasse as outras crianças. O problema é que com 1 ano de idade eu comecei a usar óculos fundo de garrafa (12 graus), e isso aumentava o tamanho dos meus olhos. Apesar de eu ser idêntica as outras crianças, as pessoas insistiam em achar que o meu problema era mental, além de visual. Desde cedo, eu tive um excelente desenvolvimento na escola, tirava notas até maiores do que as crianças que tinham a visão perfeita. Meus pais sempre insistiram para que eu tivesse uma vida normal, pois eu era normal, mas ninguém pensava assim.

Com 7 anos eu coloquei a lente intra ocular no olho esquerdo e com 8 anos no olho direito. Foi aí que pensei que iriam parar de me diminuir...mas não pararam. Meus parentes sempre achavam (e acham) que eu não enxergava, que eu não deveria ir para a escola pois iriam me derrubar e eu iria me machucar. Eu nunca gostei desses comentários, pois sempre enxerguei. Minha mãe sempre me exigia muito no colégio, não deixava nem eu fazer letra feia, que me fazia apagar tudo. Todos a criticavam, dizendo que ela era louca..."você não vê que essa menina não enxerga", só, que eu enxergava, mas como toda criança, eu queria fazer tudo correndo para ir brincar logo e por isso a letra saía feia. Hoje, em compensação, tenho uma letra linda. Pois é, os anos foram passando e o único problema que me restou foi a miopia, que muitos têm, independentemente de catarata. Uso lentes de contato, devido a diferença de grau que tenho nos doís olhos.

Sempre fui excelente aluna, estudei no Cefet atual (UTFPR) no ensino médio e passei em Farmácia na UEPG (com uma concorrência de 51 por vaga). No primeiro ano, ainda estive grávida e no segundo semestre, amamentando um pré - maturo (não precisa nem dizer que quando apareci grávida foi surpresa para todos, que nunca acreditaram que eu, a coitadinha, fosse capaz de gerar um filho). Passar no vestibular então...chegaram a me dizer para escolher um curso mais fácil, que não exigisse tanta responsabilidade (ou em outras palavras, que eu não tinha capacidade para o curso). Fiz brilhantemente o curso, apesar da miopia, do filho pequeno e de todos os encargos que isso gera. Quando estava no início do segundo ano, estava tomando banho para ir para a faculdade, senti que minha visão no olho esquerdo (o que tenho menos visão) começou e embaçar cada vez mais. Esfreguei o olho, mas só piorava. Depois de um tempo, começou a doer muito, mas muito mesmo, a ponto de causar náusea e vômito. Meu pai me levou correndo à oftalmologista, que me "encaixou" no meio das consultas do dia. Quando ela me viu daquele jeito, na hora desconfiou que fosse glaucoma. Quando ela aferiu a pressão e registrou 40 mmhg, teve sua desconfiança confirmada. Na hora, eu estava com tanta dor que nem sabia como reagir, fiquei apática. Estava confiante, pois ela disse que era totalmente reversível, mas não encanei e nem fiquei pensando muito no assunto.

No início, fiz o tratamento direitinho, depois relaxei (embora sempre tenha feito o acompanhamento semestral). A pressão se normalizou, nunca mais tive crises, e para mim, é como se eu nem tivesse o problema. Confio plenamente em Deus e sei que Ele nunca me desamparou, então não seria agora. Nunca deixei de realizar meus sonhos, seja por causa do glaucoma, seja por causa da catarata ou dos problemas decorrentes dela. Sempre fiz tudo aquilo que eu queria, namorei, viajei, estudei, e hoje estou concluindo meu curso de farmácia, estou me encaminhando para as análises clínicas e amo o que faço. Bom, para aqueles que não acreditavam e que até zombavam de mim, tenho pena, pois nunca fizeram coisa melhor, aliás, essa semana estou indo levar meu convite de formatura a eles...

Mylene Mara
(agosto de 2005)

Comentários

Agradecimento

Li a seu história de vida e confortou muito o meu coração. Descobri há uma semana que a minha pequenina filha de 40 dias de nascida tem catarata congênita. Ela fará a cirurgia na próxima semana para a retirada do cristalino em ambos os olhos. Não perco a fé e não tenho dúvidas que ela também fará um relato tão lindo e gratificante como o que vc fez. Parabéns pelo seu caminho cheio de flores e pelo bem que faz aos outros.

ola querida mylene meu marido

ola querida mylene meu marido e portador de glaucoma pouco tempo descobrimos estamos na luta ,seu olho esquerdo teve uma perda visual,mais o direito apesar de ter tamb a patologia esta bem,e vc e um guerreira meus parabens,a vida e mesmo cheia de altos e baixo,e agente tem q ter fe e esperar sempre a vitoria lutar por ela ,como vc, beijao f com deus.

Catarata congenita

Tenho uma filha de 7 anos que nasceu com catarata congenita.
Lindo seu depoimento. Fico imensamente felz com o seu sucesso. E torço pela sua felicidade assim como torço pela da minha filha.

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Mais informações sobre as opções de formatação

CAPTCHA
Escreva o resultado da operação matemática abaixo para prosseguir:
1 + 5 =
Escreva o resultado da soma... ex. 4 + 2 = 6